A cara da Street Art em latinhas….

Muitos reaproveitamentos podem ser feitos com materiais que ao invés de ir para o lixo, encontram espaço para algum tipo de arte. Geralmente, como já fazem nossos parceiros da Ecoplantar Ltda, os recicláveis usados para tal são relativamente grandes como latões de lixo, maquinas de lavar roupa velhas, pedaços de latão e telhas etc.  Mas em latas pequenas, por exemplo, é uma coisa inusitada. Achei bem interessante blogar essa matéria que encontrei pois esse inglês pega latinhas, isso mesmo, várias latinhas pequenas e transforma tudo em arte, confira.

My Dog Sighs é a alcunha de um conhecido artista britânico que faz suas pinturas em latas de comida que iriam para o lixo e as espalha pela cidade de Londres. Nas peças recicladas e amassadas, ele desenha com precisão rostos que apresentam expressões como alegria, tristeza e mau humor.

A intenção é a mesma da street art: interagir com o público que anda pelas ruas, mas nesse caso sem causar dano permanente às propriedades públicas. O inglês acredita que ao reciclar materiais, ele consegue humanizar seu trabalho, além de dar uma nova função às latas.

mydogsighs

arte-latas mydogsighs

O projeto é chamado de “Free Art Friday” já que My Dog Sighs cria suas obras e as coloca nas ruas apenas nas sextas-feira de cada mês.

Fonte: Projeto Contem, My Dog Sighs e Natura Ekos

por @guifreizan

Guto Naveira – Estilo e arte lúdica que encontra espaço em residências, empresas, galerias e ruas…

É fato que há quase uns 20 anos quando conheci Augusto Carvalho Naveira, moleque franzino e atentado,  nunca imaginava que iria se tornar um dos artistas de maior expressão na história das artes plásticas contemporâneas da nossa terra.

Guto Naveira é astuto, ele fez o caminho inverso da coisa. Com mais de 20 anos de idade foi embora de Campo Grande com sonhos que nem ele mesmo sabia quais eram, mas entre subempregos e tentativas frustradas de empresariado, como por exemplo um lava jato para carros, deparou-se em determinado momento de sua vida na grande metrópole de São Paulo, a encontrar-se consigo mesmo. Foi neste momento que até mesmo tirado de louco por uns e outros ele se encontrou. Lembrou que quando pequenino desenhava e como uma surpresa , começou, tentou, tentou, conseguiu e não parou mais. Encontrou-se com a arte, ou melhor, a arte o encontrou. Há quem pergunte: mas o que há de tão extraordinário assim na obra de Guto Naveira? A resposta é simples: a autenticidade.

Guto Naveira

Sua obra de tão autêntica tornou-se um novo estilo que mistura o clássico Pop Art com o tradicional cartoon dos desenhos animados e foi então intitulada  Pop Art Cartoon. Esse novo estilo criado por Guto, esboça bem a influência das vertentes tradicionais, com o coloridíssimo universo dos grafites de rua. Sua obra não é da escola de grafite, mas ao observá-la é impossível não remeter-se ao universo urbano. Seus personagens vão de vaquinhas amigáveis a robôs, personas e animais freaks e psicodélicos. 

De volta a Mato Grosso do Sul a pouco mais de 2 anos, nosso amigo Guto serve de exemplo para todos aqueles artistas anônimos sejam músicos, grafiteiros, b-boys, videomakers e MC’s que em determinado momento foram ou são tirados de loucos por alguns, para mostrar que sonhos podem virar realidade, e que para isso basta que nos encontremos e coloquemos em pratica e com força os nossos talentos mais do que nossos defeitos. Hoje o Guto não é nenhuma estrela super famosa, mas vive de sua arte e tem nosso respeito e prestigio  por isso. Salve Guto vida longa ao Pop Art Cartoon!!! Conheça mais sobre o trabalho do Guto Naveira no  blog Arte e Cartoon.

por @guifreizan