Papo de Rua no rolê com CuRuMeX!!!

Entre a cultura do boi e o crescimento das nossas cidades aqui em Mato Grosso do Sul, a sociedade sente e está cada vez mais atenta aos movimentos de cultura urbana pelas ruas. É fato que num estado dominado e vanguardiado por culturas country e sertaneja, fica mais difícil abrir a mente das pessoas para a artes urbanas e movimentos oriundos especificamente das ruas.

Nesse contexto o protagonista do nosso rolê de hoje, o artista, músico, rapper, skatista, empresário e agora bem dizer “fotógrafo” CURUMEX, separou algumas fotos as quais deixam claro a evidência de que a cultura de rua cresce e ganha cada vez mais espaço nos muros e espaços publicos pela city. Nelas estão alguns grafites realizados pelo artista na sua loja de conveniências, locais autorizados e fachadas comerciais. As demais foram tiradas aleatóriamente pela cidade.   Confira as fotos:

Curumex

CURUMEX artista, músico, rapper, skatista, empresário e agora bem dizer “fotógrafo”

rolecrm16

rolecrm29

rolecrm17

rolecrm18

rolecrm19rolecrm20rolecrm25rolecrm26rolecrm27rolecrm28rolecrm29rolecrm30rolecrm1rolecrm2rolecrm3rolecrm4rolecrm5rolecrm6rolecrm7rolecrm8rolecrm9rolecrm10rolecrm11rolecrm12rolecrm13rolecrm14rolecrm21rolecrm23rolecrm22rolecrm24

Anúncios

Guto Naveira – Estilo e arte lúdica que encontra espaço em residências, empresas, galerias e ruas…

É fato que há quase uns 20 anos quando conheci Augusto Carvalho Naveira, moleque franzino e atentado,  nunca imaginava que iria se tornar um dos artistas de maior expressão na história das artes plásticas contemporâneas da nossa terra.

Guto Naveira é astuto, ele fez o caminho inverso da coisa. Com mais de 20 anos de idade foi embora de Campo Grande com sonhos que nem ele mesmo sabia quais eram, mas entre subempregos e tentativas frustradas de empresariado, como por exemplo um lava jato para carros, deparou-se em determinado momento de sua vida na grande metrópole de São Paulo, a encontrar-se consigo mesmo. Foi neste momento que até mesmo tirado de louco por uns e outros ele se encontrou. Lembrou que quando pequenino desenhava e como uma surpresa , começou, tentou, tentou, conseguiu e não parou mais. Encontrou-se com a arte, ou melhor, a arte o encontrou. Há quem pergunte: mas o que há de tão extraordinário assim na obra de Guto Naveira? A resposta é simples: a autenticidade.

Guto Naveira

Sua obra de tão autêntica tornou-se um novo estilo que mistura o clássico Pop Art com o tradicional cartoon dos desenhos animados e foi então intitulada  Pop Art Cartoon. Esse novo estilo criado por Guto, esboça bem a influência das vertentes tradicionais, com o coloridíssimo universo dos grafites de rua. Sua obra não é da escola de grafite, mas ao observá-la é impossível não remeter-se ao universo urbano. Seus personagens vão de vaquinhas amigáveis a robôs, personas e animais freaks e psicodélicos. 

De volta a Mato Grosso do Sul a pouco mais de 2 anos, nosso amigo Guto serve de exemplo para todos aqueles artistas anônimos sejam músicos, grafiteiros, b-boys, videomakers e MC’s que em determinado momento foram ou são tirados de loucos por alguns, para mostrar que sonhos podem virar realidade, e que para isso basta que nos encontremos e coloquemos em pratica e com força os nossos talentos mais do que nossos defeitos. Hoje o Guto não é nenhuma estrela super famosa, mas vive de sua arte e tem nosso respeito e prestigio  por isso. Salve Guto vida longa ao Pop Art Cartoon!!! Conheça mais sobre o trabalho do Guto Naveira no  blog Arte e Cartoon.

por @guifreizan

Cabelo de Rua – Stencil Hair!!!

Que a galera já conhece o tradicional stencil, aqueles moldes utilizados por alguns grafiteiros e grafiteiras em suas intervenções nas ruas e nos muros a gente sabe, agora isso que as meninas do Mistureba Chic trouxeram nessa matéria é muito inusitado: stencil no cabelo.

A técnica é a mesma feita em paredes porem na cabeleira e com spray de tinta especial. Certeza que as minas vão gostar!!! Fonte: misturebachic

Os mini graffites de Pablo Delgado!!!

Já ouviram falar neste nome: Pablo Delgado? Pois é, esse mexicano que hoje está em Londres é um grafiteiro que faz miniaturas de graffiti muito interessantes pela capital britânica. O artista conta que quando chegou em Londres já era curioso para conhecer a cidade pelas referencias artísticas, porém não imaginava que ao ir morar na zona leste, por ser uma área mais barata,  ficou extremamente inspirado pelas inúmeras intervenções de arte de rua que existem na região. Começou então a grafitar portas em miniaturas nos muros, portas diferentes que refletiam a diversidade local e em seguida começou a trabalhar com miniaturas de animais e pessoas. O grafiteiro afirma que, pelo lado artístico, Londres é um lugar melhor para se trabalhar, já que pode viver de sua arte. Mas, segundo ele, é difícil ficar longe da família. Pablo faz neste mês sua primeira exposição na capital londrina e a arte desse maluco é bem bacana, confira.  Fonte BBC Brasil

Este slideshow necessita de JavaScript.

Confira mais trabalhos e a reportagem sobre Pablo delgado no site da BBC  Brasil: http://www.bbc.co.uk/portuguese/videos_e_fotos/2012/11/121106_grafite_mexicano_fn.shtml

Literatura da Rua – Banksy lança livro sobre suas intervenções pelo mundo

“Um muro sempre foi o melhor lugar para divulgar seu trabalho.

As pessoas que mandam nas cidades não entendem o grafite porque acham que nada tem o direito de existir se não gerar lucro, o que torna a opinião delas desprezível.

Essas pessoas dizem que o grafite assusta o público e é um símbolo do declínio da sociedade. O perigo, porém, só existe na cabeça de três tipos de indivíduos: políticos, publicitários e grafiteiros.” (Banksy)

Ninguém sabe quem é Banksy, o artista do estêncil e do spray que tem deixado a marca de sua irreverência em paredes de cidades do mundo inteiro.

Sabe-se apenas que teria nascido em Bristol, no sul da Inglaterra, onde iniciou suas atividades.

A obra de Banksy é inconfundível: ratos de guarda-chuva, macacos ameaçando dominar o mundo, inusitados sinais de trânsito e comentários mordazes sobre a sociedade contemporânea, o consumismo, as guerras e o conformismo.

Sua arte em grafite ganhou fãs em toda parte, é amplamente reproduzida pela internet e já foi vendida por mais de 50 mil libras (R$ 163,2 mil, aproximadamente) em leilões.

Guerra e Spray reúne o melhor de seus trabalhos e expõe alguns de seus pensamentos nas palavras do próprio Banksy. Além das obras criadas para as ruas, o livro inclui também intervenções que o artista fez em locais privados, como museus de Nova York e o zoológico de Barcelona (Espanha).

Excelente para ter em casa. Sensacional para dar de presente. Fonte: R7

(Indicado por Ligia Braslauskas, gerente de jornalismo do R7, @ligiakas)

Bueiroarte – Grafiteiros paulistanos transformam “bocas de lobo” em arte!!!

Pelas ruas da Barra Funda em São Paulo, a dupla Anderson Augusto e Leandro Delafuente integrantes docoletivo 6eMeia, criam ilustrações em bueiros. A escolha do bairro foi baseada na infância da dupla. Hoje já ilustraram mais de 200 obras, cada uma leva em torno de duas horas para ser finalizado. Fonte: Blog Criativo

Grife francesa Louis Vuitton se rende a arte da rua!!!!

A Louis Vuitton inaugurou uma pop up store no Design District, em Miami, no ultimo mês. No entanto, pode ser preciso olhar para dentro das vitrines para perceber que se trata de uma loja da grife francesa. É que, para introduzir o novo spot no bairro, o grafiteiro Marquis Lewis – também conhecido como RETNA, nome que faz referência a uma faixa do Wu-Tang Clan – aceitou o convite da marca para criar uma fachada especial para o local, que em nada lembra os tradicionais ícones da marca.

Feita com um mix de oito galões de tinta e 15 tipos de pinceis, o grafite traz uma interpretação do nome da marca em um degradê roxo, rosa e azul com aspecto de aquarela, feito com as letras estilizadas pelas quais o artista se tornou conhecido. Além de usar as paredes como tela em branco, RETNA também assina a estampa que cobre uma edição limitada de lenços da grife (disponíveis somente nesta loja), dando continuidade na tradição de parcerias artísticas da LV, das quais Richard Prince, Takashi Murakami, Stephen Sprouse e, mais recentemente, Yayoi Kusama, já participaram. Fonte: Vogue Brasil.

 

 

 

Cavalete Parade – Uma iniciativa muito da hora e sustentável…..

Há muito tempo que o desrespeito com a cidade e com os cidadãos toma conta das ruas em épocas de eleições. Com certeza você já passou por um cavalete com a foto e o número do político que pede o seu voto da pior maneira: ilegalmente e sujando a cidade. Pensando nisso, uma dupla criativa tentou melhorar a situação das ruas ao lançarem a “Cavalete Parade”.

O diretor de arte Victor Britto e o ilustrador Marco Furtado lançaram a campanha onde o objetivo era o de qualquer pessoa pegar algum dos cavaletes espalhados pela cidade de São Paulo e o transformasse em obra de arte. O resultado pode ser conferido no sábado (29/09), no canteiro central da Av. Paulista. Fonte: http://zupi.com.br/cavalete-parade/

Observem amigos leitores que todo esse material é reaproveitado, importantíssimo para a sustentabilidade e diminuição de resíduos sólidos no nosso meio. Confira as fotos:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Papo de Rua NEWS!!!!Torre de 14 metros torna-se maior painel da baixada santista…. #graffititurístico

A torre de 14 metros de altura localizada no Parque Municipal Roberto Mário Santini, em Santos, no litoral de São Paulo, em breve será o maior mural de grafitte da Baixada Santista. É que sete artistas da região se juntaram para realizar o projeto “Mural da Torre”, que visa difundir a cultura e a arte de rua entre os moradores e turistas que visitam o local. Fonte: G1 – http://migre.me/ba7US

 

Universidade de Brasília faz graffites comemorativos no seu aniversário de 50 anos…

A UnB – Universidade Federal de Brasília -DF,  trouxe uma iniciativa bem interessante para comemorar seus 50 de existência. Chamaram o estudante e grafiteiro Miguel Molina e seu amigo Renato para grafitar os pontos de ônibus da Universidade. Em cada setor de cursos será feita intervenção com alusão aos cursos que se situam mais próximos aquele ponto. Uma excelente iniciativa que pode servir de exemplo as demais universidades públicas e privadas do país, pois já que falta aula mesmo (greve), pelo menos que não falte a arte.