Batendo um papo de rua trilha caminhos para organização de ações.

O Encontro que aconteceu no último dia 09/05,  foi bem típico da rua e traçou algumas ações dos coletivos da cidade.

Batendo um Papo de Rua

O coletivo Papo de Rua é a união de artistas e pessoas de diferentes linguagens da cultura e arte urbana que tem a preocupação em desenvolver, divulgar e fomentar as artes de rua.

Para isso buscamos a evolução da qualidade técnica, profissionalização dos artistas e eventos realizados, produzindo informação, dando acesso e formando um público consciente quanto à arte e cultura urbana.

Na ultima quinta dia 09/05 o coletivo Papo de Rua, realizou um bate papo sobre diversos pontos em torno das artes urbanas e seus universos. Estiveram reunidos na praça dos imigrantes no centro da cidade vários grupos e coletivos das mais diversas linguagens da cultura urbana, atletas do skate e cultura Hip Hop de Campo Grande.

Durante o evento foram debatidos os assuntos :

  * Organização dos coletivos nas realizações de eventos;
*Leis de incentivo, lei orgânica do município, fundos de investimento e estratégias para a     cultura urbana no cenário de Campo   Grande, MS e Brasil.
*Grafite x pichação ou grafite e pichação.
*Ocupação dos espaços públicos.

No final do evento a Guarda Municipal compareceu com o efetivo no uso de suas atribuições dando a famosa geral naqueles que ainda estavam presentes na praça após o final do encontro.

Devido a algumas ”irregularidades” como, por exemplo, portar tinta na mochila alguns presentes foram detidos e levados à delegacia de polícia onde foram interrogados e fichados. Na ocasião o delegado de plantão quis saber o que era o papo de rua e enfatizou que querem acabar com o movimento.
Definimos então a realização de novos encontros com a presença da imprensa, advogados e todos os afins para dar continuidade à organização da arte urbana da Capital do MS que vive um momento de efervescência cultura.

Vale lembrar que o coletivo Papo de Rua não se manifesta a favor e nem contra pichações, as quais que tem sido alvo de grande repercussão nos últimos meses aqui na capital. Entendemos que a pichação é um tipo de cultura urbana que está manifestada em todos os centros urbanos, principalmente nos maiores e que o grafite nada mais é que uma complementação, ou até mesmo a evolução da pichação. A diferença está apenas na estética, porém trata-se basicamente da mesma coisa: tinta na parede.

Lembramos também que este é um assunto meramente corriqueiro comparado aos demais problemas sociais que frequentemente são exibidos tanto na internet como nos demais meios de comunicação,  e que isso é apenas uma estratégia para DESVIAR A ATENÇÃO DA POPULAÇÃO mediante aos escândalos de corrupção e negligencia que fazem parte do nosso dia-dia. Na verdade o que dá pra entender é que estão taxando pichadores como bandidos e os verdadeiros bandidos como celebridades. O que também está sendo discutido é a forma como o criminoso de pichação ou depredação está sendo punido  e não exatamente se vai acabar ou não. Na verdade consideramos impossível pararem de pichar por se tratar de cultura urbana.

Se vivemos em uma democracia, que se faça valer pois liberdade de expressão não é crime e é disso que estamos falando. (Papo de Rua)

Batalha do Rádio – Movimento independente do Rap de Campão

Foi tudo inusitado!

A cerca de 20  dias foi criado o evento no Facebook 1ª Roda de Freestyle de campão com o objetivo de unir rappers, mc’s e toda a galera da cidade que curte o movimento Hip Hop, mais especificamente o Rap, criando uma roda de rima onde aqueles que até então só se conheciam pela internet pudessem se reconhecer pessoalmente e fortalecer um movimento independente. Na roda colaram vários manos mandando suas rimas, alguns curiosos, grafiteiros, skatistas e também simpatizantes.

Disso ficou combinado de criarmos o grupo Batalha do Rádio que com pouco mais de uma semana de existência já possui mais de 1200 membros, o que nos mostra o quanto existe interesse e apelo por iniciativas desse tipo. O mais interessante é que tudo tem surgido da iniciativa independente.

Rolou então no último sábado 24/11 a 1ª Batalha do Rádio que contou com 16 mc’s duelando, na capela pura,  acompanhado pelo beatbox da rapaziada concorrendo a bases instrumentais de rap cedidas e produzidas pelos irmãos do Ataque Visceral como prêmio para os vencedores das batalhas. Neste primeiro sábado os vencedores foram:

1º Lugar – Woompa

2º Lugar – Juninho

3º Lugar – FNK

Sábado que vem tem mais, bora colar lá pessoal que tá muito bacana. Levem suas idéias, suas rimas e junte-se a nós para fortalecermos esse movimento da hora demais!!! Um salve especial para os brothers aliados Alisson Grance , Fernandoff, Yncubuz, Dilson Wiliam, Kadim, Maycon Santos, Marcelo Barreto, Silas Santiago e Canella pela atitude e empenho, é noix mulecada . Obrigado mais uma vez a todos que compareceram e representaram. Confira as fotos: